domingo, 9 de janeiro de 2011

Lola e Livros

A garota de cabelos negros com cachos, grandes olhos verdes, pele branca e de vestido florido com laços na cabeça, anda pelas ruas no centro da grande São Paulo. No meio do caos de 65, ela anda pelas ruas da praça da Sé.
Ela vê os soldados e suas armas, vê os jovens em grito de liberdade, vê adultos em desespero. Em meio desse caos, a garotinha acha uma casa.
Sim uma casa. Uma casa antiga e abandonada, faltando pedaços no teto, com portas arrancadas. Mas a casa era linda e chamava a atenção daquela garota, seus olhos verdes brilharam ao ver como a casa era bela. Ela não pensou duas vezes, já que agora estava sozinha no mundo decidiu entrar na casa.

A casa pro dentro era clara e com luz, graças aos buracos no teto e as janelas quebradas, mais mesmo com isso a pequena garotinha se sentia segura lá dentro. Olhando tudo ao seu redor, desde o chão de mármore, as paredes com quadros de pessoas apagados com a poeira, os moveis furados e quebrados, o teto antigo com seus lustres quebrados alguns até no chão caídos.
Ela viu a grande escada de mármore da casa com os corrimões dourados e com seus sapatinhos de verniz branco começou a subi-la, segurando com seus pequena mãozinha branca no corrimão gelado.
Aquela garotinha, andou pela casa inteira, todos os quartos, a cozinha, salas, corredores. Até que num dos corredores viu uma porta,. Uma porta de madeira branca toda desenhada, com a maçaneta de ouro,  a porta era alta e grande.
Ela andou até a porta e com com suas pequenas mãos foi empurrando aquela grande e pesada porta, até abri a grande porta pro inteiro.

E seus olhos verdes brilharam novamente aquele dia. Lá dentro tudo estava limpo, nada estava quebrado, só não avia teto, já que as arvores lá dentro tinham que subir para algum lugar. Dava para ver o céu azul e o sol brilhando, as janelas com cortinas abertas e o lugar era infinito não acabava! Eram estantes e mais estantes e livros saiam dessas estantes e iam até a garota.
De lá saiam, fadas que voavam ao redor dela, piratas lutando, tigres e leões sorrindo para ela, príncipes e princesas dançando.
Aquela garotinha avia achado o lugar mais mágico e maravilhoso que alguém no mundo um dia já pode encontra. Uma biblioteca! Cheia de livros, historias, magia! Aonde quando entrava uma criança os livros pulavam até elas, aonde tudo se transformava. Poderia virar o Japão, Nova York, Russia, Chile ou poderia ser um jardim, um castelo de algum grande rei, ou até mesmo o céu.
Lá dentro tudo pode acontecer.
...

Lola conta essa história até hoje, para pessoas da família, amigos etc. A garotinha é Lola, ou pode ser você. A cidade de São Paulo pode ser qualquer lugar, até a cidade aonde você mora. A casa pode ser a sua casa! Mais a biblioteca só pode ser um lugar, o seu quarto. Sim pro que é no seu quarto, aonde você pode fazer tudo, aonde fica o seu mundo, aonde você se sente você. E os livros são sua imaginação, afinal os livros fazem agente sair desse mundo.

A moral da história é que: Se você um dia está perdido na vida, sua vida está um caos ou pode ser até mesmo uma falta do que fazer num dia de tédio. Um livro pode mudar tudo, pode transforma sua vida, a literatura e a imaginação mudam a vida de qualquer pessoa.
Lola quando era pequena nunca gostou de ler, aos doze anos comprou sozinha seu primeiro livro e desde então nunca mais parou.

Beijinhos de caramelo da Lola *-*

11 comentários:

  1. Muito obrigado por me ter adicionado *

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post! Amei ler!
    Beijos, flor!

    ResponderExcluir
  3. o teu tambem está bastante bom *

    ResponderExcluir
  4. Ameei ler seu post!seguindo jaáh!
    passa laah no meu tbm?
    bubbledreamimi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Gostei da Lola.
    Ah, também gostei de tudo aqui.

    ResponderExcluir
  6. que lindo seu blog! Gostei do mundo da Lola. rs

    ResponderExcluir
  7. Adorei teu blog. Estou seguindo! Obrigada pela visita. bjos

    ResponderExcluir
  8. Ler é o melhor dos vícios,
    até mesmo para Lola.

    ResponderExcluir
  9. Hey! Belo texto!
    Tão íntimo e mesmo assim, pode servir a qualquer um que teve esse encontro com a leitura.
    Parabéns.

    ResponderExcluir